sábado, 31 de outubro de 2009

K 3D - Modelagem Tridimensional Fácil no Linux



Visão geral

K-3D é o programa livre de modelagem 3D, animação e sistema de renderização para GNU / Linux, POSIX, e sistemas operacionais Win32.
K-3D possui uma robusta arquitetura de plugins orientados a objeto, projetado para satisfazer as necessidades dos artistas profissionais, e foi pensado, desde o início, para gerar motion picture quality nos trabalhos desenvolvidos por ele. K 3D usa engines de renderização compatíveis com RenderMan. O engine de renderização recomendado é o Aqsis.


K-3D permite criar e editar múltiplos documentos OpenGL, sólidos, shaded, texture mapped, com a capacidade de animar os objetos enquanto os cria, para a máxima produtividade.
As seguintes características se aplicam à árvore 0.5/0.6 :

Plataformas

  • GNU / Linux (estável).
  • Win32 (estável). 
  • MacOSX (instável). 
  • BSD (não testado).
  • Solaris (não testado)
   Workflow

  • Modelagem procedural e animação.
  • Tutoriais interativos. 
  • Ilimitados undo / redo.
      
Visualizando

  • Camera: pan / tilt, zoom, dolly, modelagem e modos de tripé.
  • Modos de visualização: seleção detalhada das características visíveis. 
  • Hide / unhide geometry.  
  • Funny

Modelagem

  • Poderoso renderizador procedural de cenas, com histórico completo da modelagem.
  • Seleção: Objetos, meshes, faces, arestas, patches, curvas, grupos de pontos e pontos.
  • Os tipos de Geometry: Polygon, NURBS, subdivisão blobby.  
  • Primitivas 3D : Cone, círculo, coxim, cilindro, disco, grade, parabolóide, poliedros, esfera, toro. 
  • Operações de modelagem booleanas (utilizando biblioteca GTS )
  • Texto: suporte a freetype2.
  • Instanciação: Cria duplicatas sem acrescentar geometria à cena.
Animação
  •  Pipeline de visualização:  permite dataflow arbitrário - qualquer propriedade de objeto pode ser conectado a qualquer outra propriedade compatível.
  • Animar qualquer valor. 
  • Número ilimitado de canais de animação. 
  • Canais de curva de Bezier. 
  • Operações de modelagem da animação.    

Materiais e Texturas
  • Texturas com 16-bit de profundidade de cor.
  • Shaders compatíveis com  RenderMan engine.

Renderização

  • Suporte total ao RenderMan engine: Aqsis, Pixie, BMRT, PRMAN, 3Delight, Render Dot C. 
  • Suporte Extensível para engines de renderização alternativos: Yafray.
  • Renderização OpenGL salva o preview  para o disco.

Scripts
  •  Engine Python (engine preferido para desenvolvimento de novos scripts).
  • K3DScript engine (mínimo scripting engine para tutoriais / macros).
  • Suporte para plugins: roteiro alternativo, engines e ambientes.

Composição

  • Composição 2D básica.
  • 16 bits de profundidade de cor por canal.
    
Formatos Suportados

  • Formatos de geometria: Wavefront OBJ, GTS e formatos RAW são totalmente suportados, os outros são opcionais e dependem da instalação da PLIB. Plugins experimentais incluem OpenFX, OFF, RIB e formatos X. 
  • Formatos de imagem:

    • JPEG (todas as plataformas).
    • PNG (todas as plataforma)
    • TIFF (todas as plataformas)
    • OpenEXR (requer plugin OpenEXR opcional).
    • BMP (requer plugin ImageMagick opcional)
    • SOL (requer plugin ImageMagick opcional).
     




Site: http://www.k-3d.org/wiki/Main_Page



quinta-feira, 29 de outubro de 2009

KDENlive - Editor de Vídeo Poderoso e Fácil no Linux



Kdenlive é um editor de vídeo não linear para o ambiente de desktop KDE.
O software fornece gerenciamento de projetos e ferramentas de edição, baseando-se em um programa de processamento separado (atualmente Piave) para executar as operações de edição.

É baseado no framework de vídeo MLT que depende do projeto FFmpeg.

Kdenlive suporta todos os formatos suportados pelo FFmpeg (como MOV, AVI, WMV, MPEG, XviD, e FLV), e também suporta formatos 4:3 e 16:9 aspecto, tanto para PAL, NTSC e vários padrões de HD, incluindo HDV .

Vídeo também podem ser exportado para dispositivos DV, ou gravados em um DVD com capítulos e um menu simples.

Os recursos incluem:

  • Edição Multi-track  completa
  • Video Preview
  • Aceita diversos formatos de  áudio / vídeo /  imagem: MPEG, AVI, DV, VOB, WAV, OGG, mp3, gif (não animado), JPG, PNG, SVG.
  • Exportação para a maioria dos formatos: MPEG, DV, VOB, RealVideo, flash, theora, wav, mp3, xvid, quicktime.
  • Miniaturas de áudio e vídeo 
  • Efeitos básicos de Áudio  /  vídeo: o blur, sépia, volume, brilho
  • Transições básicas: crossfade, push, Picture in Picture
  • Visualização em tempo real de todos os efeitos 
  • Adicione marcadores e guias para facilmente gerenciar seu projeto
  • Copiar e colar de clipes, efeitos e transições 
  • Fácil captura de vídeo digital através de firewire
  • Layouts personalizáveis
  • Integração Desktop (adicionar arquivos ao seu projeto com drag & drop) 
  • Multi visão completa (monitor de visualização é dividida em 4 com uma faixa em cada parte)  
Site: http://www.kdenlive.org/


quarta-feira, 28 de outubro de 2009

20 Novidades do Mandriva Linux 2010


1- Novo design para o instalador

Para melhorar experiência do usuário na instalação, os desenvolvedores do Mandriva chegaram a conclusão  que o visual do instalador  estava bastante defasado e precisava ser atualizado para ficar à frente da concorrência.

2- Live upgrade

Finalmente, o Mandriva Online será capaz de notificar usuários sobre a nova versão da distribuição e propor o sistema para atualizá-lo sem usar o instalador.

3 - Desktop Moblin

Mandriva 2010 vai incluir o Moblin 2.0, ambiente projetado para plataformas de desktop móvel, fazendo  que o Mandriva Linux seja a primeira distribuição livre a integrá-lo como parte da instalação. Este ambiente  foi projetado para plataformas desktop móveis. Netbooks são seu alvo determinado, mas você também poderá usá-lo quando quiser um ambiente ergonômico e simples para as tarefas diárias. A instalação é fácil: instale o pacote task-moblin em rpmdrake e depois, escolher Moblin no gerenciador de conexões.

4 - As contas de convidados (Guest accounts)

Contas de convidados, baseado no pacote xguest, agora podem ser criadas para oferecer acesso seguro temporário para o sistema via gdm ou kdm.


5 -  Recursos de 3G aprimorados

A próxima versão terá melhor suporte de hardware para chaves USB 3G como quotas de download (e upload) , PIN / PUK gerenciamento de código, a seleção do operador.

6- Suporte melhorado a Wireless

O Mandriva 2010 é baseado no Kernel 2.6.31, assim, terá os benefícios de melhoria do suporte a Wireless, como aprimoramentos para o wireless driver RTL 8187 , incluindo suporte para RTL 8187 SE  e adotar utilitários Mesh e suporte de teste para Ralink, Atheros e outros .

7 - Instalação facilitada das chaves wifi 

Este recurso permitirá verificar em dobro as chaves WEP/ WPA. Das especificações técnicas para o Mandriva Linux 2010: "Digitar as chaves WiFi (WEP / WPA) teclas pode ser difícil, quando o campo de entrada está no modo "password" . Mac OS X permite exibir as chaves (com um checkbox) assim, você pode ter certeza que não cometeu nenhum erro de digitação, mas pode manter a chave de segurança ao redor dos olhos, por padrão. Para aprimorar mais ainda a entrada das chaves WEP / WPA, o tamanho também será verificado, emitindo mensagens de erro, caso não seja consistente.

8 - Melhorar o tempo de inicialização

Mandriva 2010 melhorou o tempo de inicialização real  de maneira a dar a ao usuário o menot tempo de inicialização possível.

9 - Melhorar a velocidade de início do  rpmdrake.

Rpmdrake (gestor de pacotes) sempre foi bastante lento, devido à análise das bases de dados dos pacotes rpm . No Mandriva 2010, rpmdrake vai iniciar mais rapidamente, fazendo uso de cache de alguns dados.

10 - Urpmi fará configuração automática de mídia na versão Free

Este recurso permitirá que o instalador auto configure os codecs de mídia, para facilitar a vida do usuário, assim como na versão ONE.

11 - Melhorar as informações do usuário em rpmdrake

Os desenvolvedores do Mandriva 2010 trabalharam duro para melhorar as informações para o usuário no rpmdrake, movendo as mensagens gerais da parte de baixo da tela e mostrando-as de melhor forma. Eles também adicionaram suporte à exibição de screenshots dos programas que serão instalados.

12 -Melhorias no Drakguard

Drakguard terá as seguintes características:
- Impedir o lançamento de aplicações específicas
- Bloquear / permitir a conexão de rede com base na hora do sistema

13 - Melhorias krandr

Krandr (chaveador dinâmico de resolução do desktop) será mais integrado ao KDE4.

14 - OpenOffice.Org 3.1 e integração do KDE 4

Mandriva 2010 irá incluir Go-OO OpenOffice.org 3.1 (baseado no fork Go-OO) e isso significa mais recursos, como suporte SVG , transições 3D, suporte VBA , integração ao KDE 4. Inclui extensões úteis.

15 - Mudança para o gcc 4.4

Como todas as principais distribuições mudaram (ou estão para mudar) para o gcc 4.4, pois permite um melhor desempenho para o código gerado,tempo de compilação  rápido  (especialmente em C + +) e corrige alguns bugs de compilação. Mandriva 2010 mudou para 4.4 gcc.

16 - Melhorar diskdrake

Diskdrake foi portado para libparted para economizar tempo, dinheiro e adicionar suporte para partições GPT. Com o aumento de discos da ordem de Terabytes, a evolução para o suporte de partições GPT (GUID Partition Table), que irão suportar facilmente discos de 1, 2 TB.

Outro recurso que irá ajudar muito o usuário a particionar o HD é que o Diskdrake vai listar todas as partições existentes, dando uma listagem geral do conteúdo delas.

17 - GNOME 2,28

Mandriva 2010 vai ter o GNOME 2.28. Ele contém a última versão do GTK + com client-side window. Este recurso deve reduzir o flicker das janelas. Você vai encontrar no repositório, GNote, um  porte C + +  do Tomboy. Versões Alpha do Mutter, Zeitgeist também estão disponíveis. Estas serão a base da futura versão do GNOME 3.0. Mudanças notáveis previstas serão melhorias no GNOME Media com: suporte a Webcam e streaming ao vivo na gravação de som ou gravador de podcaster.

18 - KDE 4.3.2

Para os amantes do KDE, Mandriva 2010 vem com o KDE 4.3.2. Esta é a melhor versão do KDE4. Muitas correções de bugs e melhorias que nos fazem pensar que temos agora um realmente inovador  e estável ambiente de trabalho.

19 - Nepomuk: A integração  é melhorada

Mandriva 2010 vem com melhorias na integração com o Nepomuk. O alvo do projeto Nepomuk é proporcionar ao usuário formas de indexar, procurar e gerenciar seus arquivos, através do suporte e manipulação de hooks metadata, com suporte a favoritos, busca semântica e notas de popularidade atribuídas a um arquivo.

20 - Plymouth boot splash

O Plymouth tecnologia de tela de inicialização, que oferece uma animação gráfica de inicialização durante o processo de boot, agora está totalmente integrado e substitui Splashy, que foi removido.

E há mais! como suporte a Python3, o VirtualBox 3.0.8, FirstTime assistente, drivers pulsbo e tomoyo-gui.

Fonte: http://www.linuxcrunch.com/content/20-features-mandriva-2010

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Unknown Horizons - Construa a sua cidade com o Linux




Unknown Horizons é um jogo livre e de código aberto, de estratégia em tempo real 2D  para Windows e Linux. A ênfase do jogo é na economia e na construção de cidades:

     Expanda seu pequeno povoado a uma colônia forte e rica, cobrar impostos e fornecer a seus habitantes  os bens valiosos. Aumente o seu poder com uma economia equilibrada e estratégica com o comércio e diplomacia.



Unknown Horizons é vagamente orientados sobre série Anno da Sunflowers porém não um clone destes jogo comercial nem um engine para reproduzir o conteúdo original.

Elementos de jogabilidade de Unknown Horizons:


Desenvolvimento Urbano

* Crie uma metrópole que floresce a partir do zero, com áreas residenciais, parques industriais, comércio de serviços e vários pontos turísticos.

Gestão de Mercadorias

* Organize seus recursos para alimentar, desenvolver, defender a sua cidade e crescer.

Diplomacia

* Lidar com outros jogadores para agendar as condições dos acordos de comércio e pactos de não agressão.

Comércio

* Compra/Venda de ações com outros jogadores, comerciantes e outros estabelecimentos locais para garantir suas lojas com reservas para o tempo das vacas magras.

Estratégia

* Crie problemas para seus inimigos com golpes estratégicos e aproveite todos os  pequenos erros deles para solidificar a sua posição.

Exploração

* Encontrar novas ilhas, novas rotas comerciais e os depósitos de recursos para aumentar a riqueza da sua cidade e estender o seu poder.

Para download e instalação: http://www.unknown-horizons.org/site/index.php?page=download


segunda-feira, 26 de outubro de 2009

PCLinux OS faz 6 anos !!!


Tela do Lançamento da distro, em 2003

Completou, no último dia 24/10/2009, seis anos de idade a minha distro de uso pessoal diário, PCLOS 2009.

História
O precursor do PCLinuxOS foi um conjunto de pacotes RPM, criado para melhorar as sucessivas versões do Mandrake Linux (agora Mandriva Linux). Estes pacotes foram criadas por Bill Reynolds, um programador mais conhecido como Texstar. De 2000 a 2003, Texstar manteve seu repositório de pacotes RPM, em paralelo com o site PCLinuxOnline. Em uma entrevista, Reynolds disse que começou PCLinuxOS "para fornecer uma saída para o seu desejo louco de empacotar código-fonte sem ter que lidar com egos, arrogância e  política." 

Em outubro de 2003, Texstar criou um fork do Mandrake Linux 9.2. Trabalhando em estreita colaboração com o The Live CD Project, Texstar desenvolveu o fork do Mandrake Linux em uma distro totalmente independente e completa. As versões iniciais foram sucessivamente numerados como "amostra": P5, P7, P8 até p81a, em seguida, p9, p91, p92 e p93.

Histórico dos Lançamentos

Versão
Data
2009.2
30/06/2009
2009.1
11/03/2009
2008 "MiniMe"
07/01/2008
P.94 "2007"
21/05/2007
P.93a "Big Daddy"
21/08/2006
P.93a "Junior"
09/08/2006
P.93a "MiniMe"
04/08/2006
P.93 "MiniMe"
21/04/2006
P.92
21/11/2005
P.91
07/07/2005
Original Release
24/10/2003





Tela atual do PCLOS 2009

Baixando Músicas do YouTube (e convertendo, com o WinFF)

Bem, essa é uma dica bem legal. Como baixar músicas do YouTube e convertê-las para MP3.
Será necessário estar com o aplicativo WinFF instalado. Ele é um frontend(GUI) para o versátil FFMpeg. Caso não tenha o WinFF nos repositórios da sua distro, o site fica em http://winff.org/html_new/

Bem, primeiro, vá até o youtube http://www.youtube.com, e, procure a música que você quer baixar.
No nosso caso, vou baixar um remix de "Enjoy The Silence" do Depeche Mode, feito pelo Pablo Roma.



No caso, observem que o WinFF já está instalado, no seu respectivo menu. Varia de distro para distro. No meu caso, é no menu Multimídia -> Vídeo -> WinFF



Bem, como eu já passei uma dica antes, de baixar facilmente vídeos e músicas do You Tube, aqui vou apenas por em prática a dica, ou seja, vou deixar tocar todo o vídeo, tocar toda a música, para depois capturar o arquivo de mídia.



Prefiram sempre que possível, marcar a HQ (alta qualidade), pois vem um arquivo de mídia com melhor resolução.
Executou todo o arquivo de mídia (a barra vermelha encheu)???
Agora é hora de capturar o arquivo de mídia lá no diretório /tmp, dentro da home do usuário atual.



Agora, dentro do diretório /tmp, você vai procurar por um arquivo Flas$$$$, ou seja, começando com a sequencia de caracteres Flas e mais alguns caracteres, que vão ser sempre diferentes.




Copie este arquivo agora para a sua /home ou para a sua área de trabalho (/home/Desktop)

 

Agora, com o arquivo de mídia num local seguro (já que o /tmp está sempre sendo re escrito), certifique-se que é o arquivo desejado. Execute-o no VLC




Ok, era este mesmo. Agora, vamos renomear o arquivo, para poder trabalhar com ele mais facilmente. Eu o renomeei enjoy_the_silence_pablo_roma_mix.flv




Agora, abrimos o Winff, e selecionamos Convert to... Audio, e Device Preset: MP3



Pressionamos o botão ADD (+) e selecionamos o arquivo de mídia.



Na aba Audio Settings, colocar o Audio Bitrate em 192(ou o valor que melhor agradar) e o Sample Rate em 44100(44, 1KHZ, near CD quality) e Audio Channels 2 (stereo)



Aqui, o script que o Winff criou começa o trabalho de converter o arquivo de mídia numa arquivo MP3 de áudio.



Ok. O Winff terminou a conversão. Pressionamos ENTER e saímos do programa.



E, pronto, lá estão os dois arquivos de mídia: O original, baixado do Youtube e o MP3 convertido pelo Winff. Agora você pode tocar com o seu tocador de áudio favorito: XMMS, Amarok, Kaffeine, VLC, etc...

Doom 3 - Perfeito no Linux !!!



Doom 3 fez muito sucesso no windows quando foi lançado em 2004. E com razão!!! Um jogo de FPS nunca se mostrou tão bem!!! Gráficos fantásticos, gameplay à la Resident Evil, modelos 3D com alta contagem de polígonos, mas, mesmo assim, ainda podendo ser rodado em Pentium 3.
O jogo ainda inspirou um filme para cinema com o ator Dwayne Johnson (The Rock).
E, o que é melhor: Rodando nativamente no Linux!!!

Neste link aqui as instruções e os arquivos para download:

http://zerowing.idsoftware.com/linux/doom/

No endereço, os arquivos de ftp da idsoftware que instalam o Doom 3 no Linux.

A versão comercial para o windows é necessária, visto que necessita dos arquivos de mapas e texturas. Mas, agora que já passou algum tempo do lançamento, já é possível encontrar este título sendo vendido na série Best Sellers, em torno de R$ 30,00

Estou jogando e achei os gráficos bastante parecidos com SauerBraten, mas, SauerBraten consegue otimizar de alguma forma a renderização, sendo um pouco mais rápido.

domingo, 25 de outubro de 2009

Ubuntu 9.10 a 5 dias do Lançamento!!!

Mais um vídeo esquentando as turbinas para o lançamento mais esperado de 2009: Ubuntu 9.10 Karmic Koala!!!



sábado, 24 de outubro de 2009

Legendagem no Linux

Quando o trabalho é legendagem de vídeo no Linux, existem opções poderosas, muito fáceis de usar e, o melhor de tudo, free as in free beer (grátis como cerveja grátis).


Jubler

Jubler é uma ferramenta para editar legendas baseadas em texto. Ele pode ser usado como um software de criação de novas legendas ou como uma ferramenta para converter, transformar, corrigir e aperfeiçoar as legendas existentes. Os formatos de legenda mais populares podem ser usados. Preview das legendas em tempo real ou em tempo de projeto, verificação ortográfica, o modo de tradução e edição de estilos são algumas das características principais.

Requisitos
• Última versão do JRE
• MPlayer para ver as legendas
• aspell para verificar a ortografia das legendas


É um programa Open Source licenciado pela GPL versão 2, sendo escrito em Java para ser multiplataforma (Linux, windows e MaC/OSX)

Recursos

Características gerais


  •  Suporta Advanced SubStation, SubStation Alpha, SubRip.  SubViewer (1 e 2), MicroDVD, MPL2 e Spruce DVD Maestro formatos de arquivo, embora seja fácil estender suas capacidades  para suportar outros tipos de arquivo.
  • Todas as codificações suportadas pela plataforma Java são suportados também aqui (como UTF-8). O usuário é capaz de selecionar uma lista de codificações preferenciais, a fim de carregar os arquivos de legendas localizadas.
  • Suporte à internacionalização da GUI através de utilitários gettext.
  • Os estilos são suportados (ao salvar em formatos SubStation). Estes estilos são específicos por legendas ou por personagem.
  • Modo de Tradução (editores pai e filho) é suportado
  • Visualização gráfica das legendas utilizando a biblioteca FFMPEG. Quadro atual, previsão de onda e audição da forma de onda são  suportados.
  • Exibição de legendas graficamente, as quais podem ser movidas e redimensionadas.
  • Teste e exibição das legendas de arquivos usando um player de vídeo externo (mplayer). Enquanto no modo de reprodução, o usuário é capaz de editar livremente as legendas (e informar ao player  essa mudança), adicionar uma nova legenda em tempo real ou sincronizar legendas com o filme.
  • Marca legendas com cores diferentes, quando editando em tempo real  na reprodução do vídeo
  • Verificação ortográfica, com suporte para a seleção de dicionário
  • Fácil instalação para Mac, Linux e plataformas Windows e um instalador genérico para todas as outras plataformas (sem suporte ao FFMPEG)
  • Recurso de atualização automática

     Os principais recursos de edição:
  • Editar legendas individuais
  • Dividir legendas
  • Juntar duas(ou mais) legendas numa só
  • Time shifting
  • Taxa de conversão de Frame Rate automática, com fatores pré definidos ou com um fator definido pelo usuário
  • Conserta incoerências no timing da legenda, tais como sobreposições,  com um algoritmo de otimização
  • Desfazer e refazer
  • Cortar, copiar, colar, apagar áreas em função do tempo e padrões de cores
  • Áreas limpas utilizadas para deficientes auditivos
O site do Jubler: http://www.jubler.org/index.php

Gaupol

Gaupol é um editor de arquivos de legendas de texto. Ele suporta múltiplos formatos de arquivo de legendas e fornece meios de correção dos textos e sincronizar as legendas para coincidir com vídeo. A interface de usuário foi projetada com atenção para processamento em lote de vários documentos e conveniência ao traduzir.

Gaupol pode ser executado em todos os ambientes Unix-like (GNU / Linux, * BSD, etc) e no Windows. Tecnicamente, ele pode ser executado no Mac também, mas  não foi testado ainda. A interface do Gaupol  é baseada no toolkit GTK + e foi desenvolvido para melhor ajuste ao ambiente de desktop GNOME.

Gaupol é um software livre liberado sob a licença GNU General Public License (GPL).

Recursos

Interface
  • Interface de documentos  múltiplos que permite uma certa quantidade de processamento em lote.
  • Modos de edição por tempo ou por frame.
  • Comprimentos linha opcionalmente mostrados como números ou caracteres EMS.
  • Conveniente para traduzir legendas existente(com o recurso de múltiplas abas de edição)
  • GNOME HIG 2.2 compatível

Tipos de Arquivos Suportados
  • Formatos totalmente  suportados: MicroDVD, MPL2, MPsub, SubRip, SubViewer 2,0 e TMPlayer 
  • Formatos parcialmente suportada  : Sub Station Alpha e Advanced Sub Station Alpha
  • Suporte para uma ampla gama de codificação de caracteres, incluindo a deteção automática
  • As conversões entre todos os formatos suportados, incluindo a conversão de Markup Tags
Edição

  • Desfazer e refazer ilimitados
  • Inserção, remoção, separação e junção de legendas 
  • Localizar e substituir, incluindo busca por expressões regulares
  • Liga/desliga  itálico e linhas de diálogo
  • Alterações entre diversos tipos detamanhos de letras.
  • Verificação ortográfica
  • Correção de erros comuns em texto
  • Remoção de texto para pessoas com problemas de audição
  • Quebra de linhas com um comprimento máximo definido
  • Capitularizar textos em minúsculas.
  • Unir ou dividir palavras  com base em sugestões de verificação ortográfica
  • Adaptação do tamanho das legendas  diferentes divisões de vídeo/número de CD's
  • Mudança ou transformação no timing das legendas
  • Encurta ou alonga a duração de cada legenda apresentada.
  • Conversão de Framerate 
  • Pré-visualizar no player de vídeo externo escolhido (Mplayer default)
  • Marcadores
  Site: http://home.gna.org/gaupol/index.html

Subtitle Editor

Subtitle Editor é uma ferramenta GTK +2  para editar as legendas para GNU / Linux / * BSD.
Ele pode ser usado para novas legendas ou como uma ferramenta para transformar, editar, corrigir e aperfeiçoar as legendas existentes. Este programa também mostra as ondas sonoras, o que torna mais fácil para sincronizar legendas para vozes.

Subtitle Editor é um software livre liberado sob a licença GNU General Public License (GPL3).

Recursos

Interface de usuário
  • Muito fácil de usar
  • Interface de documentos múltiplos
  • Desfazer / Refazer
  • Suporte à Internacionalização
  • Player de vídeo integrado na janela principal (baseado no GStreamer)
  • Pode reproduzir o vídeo com um player de vídeo externo (com o MPlayer ou outro)
  • Pode ser utilizado para o sincronismo
  • Gerar e exibir uma forma de onda
  • Pode ser usado para traduzir
  • Mostra as legendas sobre o vídeo
  • Com o GTK+, aceleradores de menus podem ser alterados pressionando uma tecla sobre o item de menu. Isso é possível com subtitleeditor, e  é por esta razão que todas as ações estão no menu.

Edição:

  • Pode editar o cabeçalho do script (autores, tradutores, temporizadores, a informação de vídeo, etc)
  • Style Editor
  • Verificação ortográfica
  • Conversão Framerate
  • Escala
  • Divide e junta legendas
  • Editar texto e ajustar o tempo (início, fim)
  • Move legendas/ tempos
  • Localizar e substituir (pode usar expressões )
  • Erros de verificação (sobreposição, tempo demasiado longo ...)
  • Remover linha vazia

Os formatos suportados:
   
  • Sub Station Alpha
  • Advanced Sub Station Alpha
  • SubRip
  • MicroDVD
  • MPL2
  • MPsub (MPlayer subtitle)
  • SubViewer 2.0
  • Plain-Text
  • Adobe Encore DVD

Outras características:

  • Suporte a Codificação de páginas de caracteres
  • Formato interno é Advanced Sub Station Alpha

Site: http://home.gna.org/subtitleeditor/


GNOME Subtitles
Gnome Subtitles é um editor de legendas open-source para o GNOME desktop . Ele suporta os formatos de legendas mais comuns e permite a edição de legendas, conversão e sincronização. A versão atual é de 0.9

Gnome Subtitles é um software livre liberado sob a licença GNU General Public License.

User Interface:

  • WYSIWYG - What You See Is What You Get.
  • Legendas são exibidas com o estilo programado durante a reprodução.
  • Estilos: negrito, itálico e sublinhado.
  • Suporte à tradução de legendas
  • Suporte à verificação ortográfica
  • Cabeçalhos das legendas
  • Editar
  • Localizar e Substituir, incluindo  expressões regulares
  • Multi-level undo / redo
  • Suporte à Internacionalização (i18n).
          
 Preview Embutido:
  • Utiliza o GStreamer como player
  • Exibição de legendas incorporado no player
  • Duração do vídeo e  posição actual são mostrados
  • O timing das legendas é marcado com base na posição de vídeo
  • Automaticamente seleciona o vídeo quando abre o arquivo de legendas
  • Permite legendar arquivos de áudio também

Formatos de legenda:
  • Adobe Encore DVD
  • Advanced Sub Station Alpha
  • AQ Titles
  • DKS Subtitle Format
  • Karaoke Lyrics LRC
  • Letra Karaoke VKT
  • MacSUB
  • MicroDVD
  • MPlayer
  • MPlayer 2
  • MPSub
  • Panimator
  • Phoenix Japanimation Society
  • Power DivX
  • Sofni
  • SubCreator 1.x
  • SubRip
  • Sub Station Alpha
  • SubViewer 1.0
  • SubViewer 2.0
  • ViPlay Subtitle File

Operações de Sincronia(timing):

  • Sincroniza pela configuração de 2 pontos, que podem ser tempos no vídeo ou pontos de sincronização.
  • Auto-ajustar temporizações com base em 2 pontos de tempo / sincronização.
  • Muda o tempo de exibição das legendas por um prazo definido (que pode ser baseado no vídeo)
  • Conversão entre framerates
  • Define framerates de entrada e saída
  • Editar tempos  e frames
    
Outras características:

  • Manual de instruções
  • Codificação de caracteres e formato de legendas  (detectados na abertura)
  • Permitir escolher manualmente a partir de múltiplas páginas de códigos /  caracteres
  • Permitir a escolher o tipo da nova linha a ser utilizado quando salva o arquivo (windows/unix)
  • Análise das legendas relaxado, para ler as legendas que contêm erros 
    
site: http://gnome-subtitles.sourceforge.net/

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Suporte Multi Touch no Linux

Segue um vídeo do suporte a touch screen no Linux, de 2006 (3 anos atrás)




E agora, o vídeo do suporte ao multi touch no Linux, que foi adicionado experimentalmente no Kernel 2.6.30 e estará em produção no 2.6.31, e, com drivers embutidos já no 2.6.32




OpenMSX - Emulador Aberto do MSX


openMSX é um emulador de código aberto MSX, que é livre de acordo com a Definição Debian de Software Livre, disponível sob a licença GNU General Public License.

Por razões de direitos autorais, junto com o emulador não podem ser distribuídas as imagens originais da BIOS ROM MSX. OpenMSX C-BIOS inclui um mínimo de implementação da BIOS do MSX, permitindo funcionalidade suficiente  para jogar bem alguns jogos, sem a necessidade de ter uma imagem original ROM BIOS MSX  .
Você também pode usar sua própria imagem da ROM BIOS se quiser e a tiver disponível.

OpenMSX utiliza um modelo de emulação distinto para atingir o mais alto nível de precisão possível. Ele está disponível para várias plataformas, inclusive POSIX e sistemas operacionais Microsoft Windows e emula uma grande quantidade  de hardware MSX , incluindo:

     * MSXturboR
     * Moonsound
     * Controlador IDE de Sunrise.
     * GFX9000.

Características notáveis incluem:

     * Hard  e soft  Scalers
     * Depuração
     * Suporte Tcl Script
     * Cheat Finder (através Tcl)
     * Game Trainers (através Tcl)
     * Audio / gravação de vídeo

OpenMSX tem um protocolo de comunicação aberto para se comunicar com o emulador openMSX. Utilizando este protocolo de comunicação, é possível escrever  add-ons versáteis para o openMSX. Projetos que recorram a este protocolo incluem as seguintes aplicações:

     * OpenMSX Catapult (pela equipe openMSX)
     * OpenMSX Debugger (pela equipe openMSX)
     * Plugin openMSXControl
     * NekoLauncher openMSX
     * OpenMSX Peashooter
     * OpenMSX Control Plugin para Gedit

Atualmente Catapult está sendo reconstruído utilizando Python e Qt.

O depurador openMSX também está em desenvolvimento, escrito em C + +, também utilizando a plataforma do Qt.

Site: http://www.openmsx.org/

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

Vdrift - O Gran Turismo do Linux



VDrift, como o nome indica, está focado em realistas corridas de derrapagem. Inspirado pelo Gran Turismo, VDrift possui as seguintes características: 19 hipódromos, 28 carros, paisagens totalmente modeladas , e muito mais. Além disso, é usado o Vamos phisics engine que desenvolve muito melhor que GT4, quando se trata de derrapagens, de acordo com Joe Venzon, o criador do VDrift. Embora VDrift esteja nas fases iniciais de desenvolvimento, já é muito jogável.


Este jogo de corrida apresenta pistas modeladas  e paisagens, uma divertida (e realista)  simulação física do carro, contadores de pista e replays. Agora está suportando  modo multiplayer em rede.

O jogo pode ser jogado com volante, gamepad, joystick, mouse ou teclado. Os menus são também totalmente compatíveis com todos estes métodos de entrada.

Os recursos incluem:

     * 19 pistas: Barcelona, Brands Hatch, Detroit, Dijon, Hockenheim, Jarama, Kyalami, Laguna Seca, Le Mans, Mônaco, Monza, Mosport, Nürburgring Nordschleife, Pau, Road Atlanta, Ruudskogen, Spa Francorchamps, Weekend Drive, Zandvoort
     * 28 carros: 3S, AX2, C7, CO, CS, CT, F1, FE, FF, G4, GT, M3, M7, MC, MI, NS, RG, RS2, SB, T73, TC, TL, TL2, XG, XM, XS, Z06
     * Competir contra jogadores controlados pelo computador (AI)
     * Modo multiplayer em rede
     * Física muito realista
     * Mouse / joystick / keyboard suportados
     * Pistas totalmente modeladas, cenário e  terreno
     * Vários modos de câmera diferentes
     * Sistema de replay Básico com Skip Forward / Backward 
     * Dia / noite mudança no tempo
     * Controle totalmente personalizável
     * As luzes de freio acendem
     * Mudanças no clima



Disponível nos repos das principais distros, ou em http://vdrift.net/

quarta-feira, 21 de outubro de 2009

DVD Backup no Linux

Existem diversas opções de backup para DVD's de vídeo no Linux. Muitas delas com a opção de ripar o conteúdo em vídeo para avi/xvid/matroska, entre outros formatos.

DVD95

DVD95 é um aplicativo GNOME para converter DVD9 para DVD5. A interface do programa está focada em ser simples e elegante .
O fator de compressão pode ser computado para melhores resultados, ou um método de compressão adaptativa pode ser utilizado.
Os DVDs podem ser ripados para uma estrutura de arquivos, ou um arquivo de imagem ISO, mas o software também suporta codificá-los para o formato MP4 do PSP e compatíveis.
Os resultados podem ser reproduzidos através do xine, VLC media player, MPlayer, etc.
A queima do projeto resultante (DVD Burning) pode ser feito com o apoio de software de terceiros, como Brasero ou K3B.
 DVD95 não precisa de pacotes adicionais, já que tem versões integradas do vamps e do dvdauthor , para ser o mais rápido possível. DVD95 é um software livre licenciado sob os termos da GNU General Public License, versão 2.
Está disponível nos repositórios das principais distribuições.


K9Copy



K9Copy facilita a operação para fazer backup de um DVD e utiliza a biblioteca libdvdcss para driblar a proteção de cópia .

O software permite o backup direto de DVD-5 de camada simples, desde que o computador do usuário tenha um gravador de DVD. Do mesmo modo,  backup direto de DVD-9 de camada dupla é possível desde que o computador do usuário possua um DVD burner de camada dupla.

K9Copy é capaz de ajustar o conteúdo de um DVD camada dupla para um DVD camada simples (DVD-5).
 A interface permite ao usuário manter ou descartar qualquer conteúdo do disco original, como títulos de vídeo, faixas de áudio, legendas e menus de DVD. Todos os conteúdos selecionados para backup são comprimidos para um tamanho de destino configurável (4400 MB  por padrão) e armazenadas no disco rígido do usuário como um arquivo de imagem ISO ou uma pasta DVD VIDEO  TS.
K9Copy pode transferir os dados de backup para um DVD ± R virgem ele mesmo, ou utilizar um software de criação de CD/DVD externo, como o K3B para esta tarefa.
Além disso, uma imagem ISO  produzida pelo K9Copy pode ser gravada em DVD por qualquer software em qualquer plataforma capaz de gravar imagens ISO em  disco.

Funcionalidade para fazer backup de um DVD para um arquivo de vídeo (como o MPEG-4), em vez de um disco completo também existe no K9Copy.
A interface permite ao usuário selecionar o codificador preferido ( MEncoder ou FFmpeg) e codec de compressão, áudio e vídeo, bem como um tamanho de arquivo de destino ou taxa de bits para o arquivo resultante.

K9Copy inclui capacidades básicas para a criação de DVD.

Thoggen


Thoggen é projetado para ser fácil e descomplicado  de usar. Ele tenta esconder a complexidade de muitas outras ferramentas de transcodificação  e tenta oferecer padrões sensíveis que funcionam bem para a maioria das pessoas na maior parte do tempo.
Características:
  • Fácil de usar, com uma boa interface de usuário gráfica (GUI)
  • Suporta visualização de título, do corte e redimensionamento de imagem.
  •  Seleção de idioma para a faixa de áudio (sem suporte para legendas ainda )
  •  Codifica em Ogg / Theora video
  • Pode codificar a partir do diretório local com arquivos de vídeo DVD
  • Baseado no framework multimídia GStreamer, o que torna bastante
      fácil de adicionar codecs e formatos de codificação  no futuro.
 

OGMRip


OGMRip é uma aplicação e um conjunto de bibliotecas para ripar DVD e codificação em AVI, OGM, MP4, ou Matroska  usando uma variedade de codecs. Baseia-se no mplayer, mencoder, ogmtools, mkvtoolnix, mp4box, oggenc, coxo, e FAAC para executar suas tarefas.

A GUI apresenta uma interface limpa, GNOME like, e tenta minimizar tanto quanto possível, as definições complicadas.

Um cliente CLI também está disponível chamado  shRip.

Recursos

  • Transcodifica a partir de DVD ou arquivos
  • Saídas de OGM, AVI, MP4, ou Matroska
  • Suporta um monte de codecs (Vorbis, MP3, PCM, AC3, DTS, AAC, XviD, lavc, X264, Theora)
  • Calcula bitrate de vídeo para um determinado tamanho de arquivo
  • Detecta  parâmetros de corte(crop) e fatores de escala
  • Suporta faixas múltiplas de áudio e legendas
  • Legendas extraídas em formato SRT ou VobSub
  • Usa  codecs com máxima qualidade
  • Ripa capítulos contíguos
  • Suporta áudio externo (PCM, MP3, AC3, DTS, AAC, Vorbis) e legendas (MicroDVD, SubRip, SRT, Sami, vplayer, RT, SSA, PJS, MPSub, AQT, JacoSub, VobSub
  • Fornece perfis personalizáveis  de codificação
  • É extensível através de plugins

dvd::rip

dvd:: rip é um programa de cópia de DVD pleno de recursos, escrito em Perl.
Ele fornece uma maneira fácil de usar, mas cheia de recursos, baseada numa interface GTK+ para controlar quase todos os aspectos do processo de cópia  e transcodificação.
Ele utiliza o conhecido canivete suiço de vídeo para o Linux, o transcode, para processamento de vídeo e muitas outras ferramentas Open Source. dvd:: rip em si está licenciado sob a GPL / Perl Artistic License.

AcidRip

AcidRip é um aplicativo Gtk2:: Perl  para cópia e codificação de DVD's. É nitidamente um wrapper do MPlayer e MEncoder, e, uma ferramenta muit útil, construído em torno do MPlayer, que é  o melhor aplicativo de vídeo  para o Linux, bem como criar uma simples interface gráfica para aqueles com medo de ficar mexendo na  linha de comando, com os comandos do MEncoder, ele também automatiza o processo de várias maneiras:

  • Analisa DVD para conteúdos de árvore
  • Localiza o maior título
  • Calcula o bitrate de vídeo para um tamanho de arquivo especificado
  • Corta as faixas pretas acima e abaixo do vídeo
  • Dá sugestões para melhorar o desempenho
  
   
Alternativas via Wine

Existem alternativas windows que funcionam muito bem no Linux. Em alguns casos, para fazer o backup de DVD's mais recentes, estas alternativas são mandatórias.

DVD Shrink


DVD Shrink é um programa freeware para Microsoft Windows que facilita o backup de filmes em DVD. Comercialmente, os DVDs de vídeo lançados  normalmente são de dupla camada (8,5 GB), uma das funções do DVD Shrink é a re-codificar o filme em qualidade inferior e / ou descarte de conteúdo extra, como trilhas sonoras de língua estrangeira, de modo a caber em uma única camada (4,7 GB) DVD de camada simples .
A versão mais atual do DVDShrink é a 3.2.0.15, e, funciona normalmente via wine no Linux. Pode ser baixado de http://www.dvdshrink.org/

DVD Fab HD Decrypter


DVDFab HD Decrypter é uma versão simples da suíte DVDFab, com os recursos de cópia "DVD para DVD, e" DVDFab "Blu-ray para Blu-ray".
Ele copia todo o DVD / Blu-ray para o disco rígido e remove todas as proteções de DVD (CSS, RC, RCE, APS, UOPs e Sony ARccOS) e proteções do Blu-ray (AACS, BD +, RC, UOPs e BD -Live) enquanto copia.
NOTA! A decodificação, DVD para HDD e Blu-ray para o disco rígido, é livre, se você quiser mais recursos, então compre a suíte completa.
Funciona perfeitamente via Wine e faz backups para o HD de DVD's recentes com esquemas anti-backup mais elaborados, como ARccOS e outros.
Link para download: http://www.dvdfab.com/mlink/download.php?g=DVDFAB6

terça-feira, 20 de outubro de 2009

Ubuntu Faz 5 anos !!!


Hummm... Essa festinha de aniversário eu também quero participar !!!



Exatamente 5 anos atrás, hoje (20 de outubro), a primeira versão do Ubuntu, codinome Warty Wathog foi lançado. Foi então um pequeno projeto que foi rapidamente descartado por alguns como mais uma brincadeira de criança sobre o já confuso mercado de sistemas operacionais Linux. Ohhhh... Como essas pessoas estavam erradas.

Desde Warty Warthog, houve 11 lançamentos consecutivos (incluindo Karmic Koala) e todos têm seguido o modelo estabelecido de ciclo de lançamentos de abril e outubro , com o Ubuntu 6.06 que foi lançado em junho, em vez de abril. Ao longo dos anos, o Ubuntu cresceu e se tornou uma força a ser considerada tanto no mundo do Linux  quanto fora dele. Agora é a distro Linux mais popular pelo mundo afora, com mais pessoas a migrar para ele a cada dia.

A distro passou por muitas mudanças ao longo dos anos com o clímax definido para o Karmic Koala. A aparência passou por um monte de mudanças: a partir de um visual feio, difícil de acompanhar até a aparência de um ambiente de trabalho muito polido e de classe internacional com o Karmic Koala. Ubuntu Linux é agora o favorito preferido da maioria dos usuários de Linux e eu sei que é padrão como distro inicial para muitos usuários novatos em Linux.

Ubuntu também tem se saído bem no mundo empresarial com uma série de serviços em torno da distro adequada para empresas. É muito interessante saber também que o Ubuntu, ele próprio um derivado do Debian, conseguiu fazer a distro mais utilizável e a interface gráfica mais amigável, em que o uso do terminal tem sido largamente facultativo embora haja ainda muito trabalho a ser feito em relação ao uso do terminal.

Tudo somado, o Ubuntu tem feito grandes progressos na disseminação do Linux para as massas e tem, em grande medida, cumprido a promessa do seu slogan  "Linux para seres humanos." Há ainda trabalho a ser feito, especialmente à luz do próximo Windows 7, que está previsto para ser lançado daqui a 2 dias. Mas no todo, o Ubuntu e todos os rapazes e moças da Canonical tem feito um trabalho espetacular. Eu desejo um feliz aniversário ao Ubuntu e para todos seus usuários pelo Brasil e pelo mundo. Muito sucesso e muitas realizações nos próximos anos. Principalmente, aumentar a fatia do Linux no desktop (tirar uma boa fatia da M$ e da Apple...)

Fonte: http://www.ghabuntu.com/2009/10/hey-ubuntu-you-are-5-years-today-since.html

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Sistemas de Arquivos da Nova Geração - NILFS


1. Introdução

Irei apresentar algumas características deste sistema de arquivos de nova geração. Como ele se encontra num estágio de desenvolvimento bastante primário, as chances são que seus recursos poderão maturar bastante ainda, quando estiver próximo de um release stable.


NILFS

NILFS (New Implementation of a Log-structured File System ou NIL File System) é uma implementação de sistema de arquivos de log estruturado   para  o Linux . Ele está sendo desenvolvido pela Nippon Telephone and Telegraph CyberSpace Laboratories (parte da Nippon Telegraph e Telephone Corporation) e lançado sob os termos da GNU General Public License (GPL).

NILFS2 está incluído no kernel Linux 2.6.30. Uma licença BSD separada, atualmente  somente com suporte à leitura está incluída no NetBSD.

Recursos

Como um sistema de arquivos de log-estruturado (uma forma específica de técnica copy-on-write ), NILFS anota todos os dados em um registro contínuo do tipo  que só é anexado, nunca gravado por cima, uma abordagem que visa reduzir tempos de busca , bem como minimizar o tipo de perda de dados que ocorre após um acidente com sistemas de arquivos convencionais Linux. Por exemplo, a perda de dados ocorre em ext3 quando o sistema cai durante uma operação de gravação. Quando o sistema for reinicializado, o journal observa que a gravação não foi concluída, e os dados parciais escritos no disco são perdidas.

Alguns sistemas de arquivos, como o sistema de arquivos UFS legado usado pelo sistema operacional Solaris, fornecer dados de um "snapshot" recurso que impede a perda desses dados, mas a operação do sistema de arquivos deve ser suspenso para usar o recurso, reduzindo o desempenho. NILFS, em contrapartida, pode "continuamente e automaticamente salvar "snapshots"  do sistema de arquivos sem interromper o serviço", de acordo com a NTT Labs.

Os "snapshots" que NILFS continuamente guarda podem realmente ser montados, somente leitura, ao mesmo tempo que o sistema atual está montado read-write - um recurso útil para a recuperação de dados após falhas de hardware e falhas do sistema.

Assim, após uma falha, o log seria verificado e, finalmente no Linux, poderia haver recuperação de dados apagados (o que não ocorre tão facilmente assim hoje).

Os "snapshots" é claro, teriam um tempo de vida útil, como 1 semana, 1 mês, 2 meses. Tudo fica configurado nos arquivos .conf do sistema de arquivos.


Recursos adicionais


  • Escrita e tempos de recuperação rápidos
  • Danos mínimos ao dados dos arquivos e à consistência do sistema em uma falha de hardware
  • 32-bit checksums (CRC32) sobre os dados e metadados para a garantia da integridade (por grupo de blocos , em no índice do segmento) 
  • escrita corretamente ordenada de dados e meta-dados. 
  • superbloco Redundante
  • Arquivos e blocos são geridos por uma estrutura de árvore B (B Tree)
  • Dados internos são  processados em 64-bit
  • Pode criar e armazenar arquivos enormes (8 BEI)
  • Bloco de tamanhos menores do que o tamanho da página (ex 1 KB ou 2 KB)

Fonte: http://www.linuxfordevices.com/c/a/News/Linux-gains-lossless-filesystem/

Perfect World no Linux



Perfect World (Chinês:完美世界, abreviado geralmente como o PW e W2), é um MMORPG desenvolvido pela Beijing Perfect World. Foi lançado em diversos países em diferentes versões . A versão da Malásia foi agora lançado mundialmente em um formato com idioma Inglês. Perfect World International, abriu seu teaser site  em 15 de julho de 2008, e lançou o seu closed beta 19 de agosto de 2008. A versão beta aberta começou no dia 2 de setembro de 2008. A versão internacional é especificamente construída para acomodar a América do Norte. A versão Multilanguage Servive teve por objetivo  os jogadores europeus, betas fechado e aberto  iniciados em 2008. Perfect World Coréia começou a testar a versão beta em agosto de 2007. a versão Open beta foi testada ao longo de Setembro de 2007.

Perfect World é fortemente baseado na mitologia chinesa, e é ambientado no mundo mítico de Pangu. O dia e noite simulados , e o vôo são componentes chave para explorar o mundo do jogo.

É um RPG free to play, distribuido no Brasil pela Level Up! Games.

E, com o vídeo tutorial a seguir, como instalar e jogar Perfect World no Linux


sábado, 17 de outubro de 2009

Microsoft envenena o Firefox com plugin malicioso



Um add-on que a Microsoft silenciosamente instalou para o Mozilla Firefox fevereiro passado deixa o browser aberto a ataques externos, os engenheiros de segurança da Microsoft reconheceram esta semana.

Um dos 13 boletins de segurança que a Microsoft lançou terça-feira passada não afeta apenas o Internet Explorer (IE), mas também o Firefox, graças a um plug-in  empurrado goela abaixo dos usuários do Firefox pela Microsoft  via Windows Update.

"Apesar de a vulnerabilidade estar em um componente  do IE , existe um vetor de ataque para os usuários do Firefox também", admitiram os engenheiros da Microsoft em um post do blog de segurança, pesquisa e defesa  da empresa  na terça-feira. "A razão é que. NET Framework 3.5 SP1 instala um plug-in "Windows Presentation Foundation" no Firefox. 

Os engenheiros da Microsoft descreveram a ameaça de um possível "navegar-e-ser infectado", situação que requer apenas que os atacantes  atraiam os usuários do Firefox a um site falsificado, com o código malicioso.

Muitos usuários e especialistas reclamaram quando a Microsoft empurrou a atualização para usuários do .NET Framework 3.5 Service Pack 1 (SP1) em  fevereiro passado, incluindo Susan Bradley, uma colaboradora para o popular newsletter Windows Secrets.

". NET Framework assistente [o nome do add-on injetado no Firefox ] resulta que  pode ser instalado no Firefox sem a sua aprovação", Bradley observou em 12 de fevereiro passado. "Embora tenha sido instalado pela primeira vez com o programa de desenvolvimento da Microsoft Visual Studio, eu vi esse . NET componente adicionado ao Firefox, como parte do patch da Família .NET."

O que era particularmente irritante para usuários era que uma vez instalado, o .NET Add-on era virtualmente impossível de remover do Firefox. Os habituais botões "Desativar" e "Desinstalar"  no Firefox  foram deixados cinzas em todas as versões do Windows, exceto o Windows 7, deixando a maioria dos usuários sem  alternativa que não seja a pesquisar através do registro do Windows, uma tarefa potencialmente perigosa, já que um passo em falso poderia afetar o PC. Vários sites postaram indicações sobre a forma complicada para conseguir desativar o Add-on do Firefox, incluindo Annoyances.org.

Annoyances.org também disse que a ameaça para os usuários do Firefox é grave. "Esta atualização adiciona ao Firefox uma das vulnerabilidades mais perigosas presentes em todas as versões do Internet Explorer: a habilidade para sites de, maneira fácil e silenciosamente, instalar software no seu computador", disse o site de sugestões e dicas . "Desde que esta falha de projeto é uma das razões [porque] você pode ter inicialmente escolhido  abandonar o IE em favor de um navegador mais seguro como o Firefox, você pode querer remover esta extensão com  a maior pressa possível."

Especificamente, o plug-in  .NET está ligado uma tecnologia da Microsoft apelidada ClickOnce, que permite a aplicações .NET  automaticamente o download e execução dentro de outros navegadores.

A Microsoft reagiu às críticas sobre o método que utilizou para instalar o add-on no Firefox  através da emissão de uma outra atualização no início de maio, que tornou possível desinstalar ou desativar. NET Framework Assistant. Não fez, no entanto, pedir desculpas aos usuários do Firefox para a "mancada" de forçar o add-on em seus navegadores sem sua permissão explícita - como geralmente é o processo para instalar  add-ons ou extensões no Firefox.

Esta semana, a Microsoft não revisitou a origem do Add-on .NET , mas simplesmente disse que usuários do Firefox devem desinstalar o componente se eles não foram capazes de implementar as correções previstas no boletim de atualização MS09-054 .

Segundo a Microsoft, a vulnerabilidade é "crítica", e também podem ser explorados contra os usuários executando qualquer versão do IE, incluindo o IE8.

Fonte: http://www.computerworld.com/s/article/9139459/Sneaky_Microsoft_plug_in_puts_Firefox_users_at_risk

Por essas e por outras que o melhor a fazer é migrar para o Linux e ficar definitivamente protegido das lambanças da M$.

Sistemas de Arquivos da Nova Geração - EXT4


1. Introdução

Ext4 é a evolução do sistema de arquivos Linux mais usado, o Ext3. De muitas maneiras, Ext4 é uma profunda melhoria em relação ao Ext3 do que o Ext3 foi em relação ao Ext2. A principal característica do  Ext3 foi a adição de journaling para Ext2, mas o Ext4 modifica as estruturas de dados importantes do sistema de arquivos como os destinados a armazenar os dados dos arquivos. O resultado é um sistema de arquivos com um design melhorado, melhor performance, confiabilidade e características.


2. Características EXT4
2.1. Compatibilidade

Qualquer ext3 existente pode ser migrado para Ext4 com um procedimento simples, que consiste na execução de um par de comandos em modo só de leitura (descrito na próxima seção). Isso significa que você pode melhorar o desempenho, limites de armazenamento e as características de seu sistema de arquivos atual sem reformatação e / ou reinstalar o sistema operacional e ambiente de software. Se você precisar das vantagens do Ext4 em um sistema de produção, você pode atualizar o sistema de arquivos. O procedimento é seguro e não arrisca seus dados (obviamente, backup de dados críticos é recomendado, mesmo se você não está atualizando seu sistema). Ext4 irá utilizar as estruturas de dados novos apenas em dados novos, as antigas estruturas irão permanecer intocadas e  será possível a leitura e modificação quando necessário. Isto significa que, naturalmente,  depois de converter seu sistema de arquivos para Ext4 você não será capaz de voltar para Ext3 novamente (embora haja uma possibilidade, descrita na próxima seção, de montar um sistema de arquivos Ext3 com Ext4 sem utilizar o novo formato de disco e você será capaz de montá-lo com Ext3 novamente, mas você perde muitas das vantagens de Ext4

2.2. Maior sistema de arquivos / Maiores tamanhos de  arquivo

Atualmente, o Ext3 suporta  16 TB de tamanho máximo de sistema de arquivos, e 2 TB de tamanho máximo de arquivo. Ext4 acrescenta blocos de 48-bits de resolução, de modo que terá 1 EB  de tamanho máximo de sistema de arquivos e 16 TB de tamanho máximo de arquivo. EB 1 = 1.048.576 TB (1 EB = 1024 PB, 1 PB = 1024 TB, 1 TB = 1024 GB). Por que 48-bit e não 64-bit ? Existem algumas limitações que precisam ser corrigidos antes de fazer Ext4 totalmente 64-bits, que não foram ainda abordadas no Ext4. As estruturas de dados Ext4 foram concebidos tendo isto em mente, assim, uma futura atualização do Ext4 vai implementar suporte completo  64-bit  algum ponto. 1 EB  será o suficiente (na verdade:)) até que isso aconteça. (Nota: A implementação para criar sistemas de arquivos maiores do que a 16 TB , no momento da escrita deste artigo, não está em nenhuma versão estável do e2fsprogs. Vai estar em lançamentos futuros.)

2.3.  Escalabilidade de Sub diretórios

Neste momento, o número máximo possível de sub-diretórios contidos em um único diretório em Ext3 é 32000. Ext4 quebra este limite e permite um número ilimitado de sub-diretórios.

2.4. Extensões

Os  sistemas de arquivos tradicionalmente derivados do Unix, como  Ext3, usam um esquema de mapeamento indireto de blocos para acompanhar cada um dos blocos utilizados  correspondentes aos dados de um arquivo. Isto é ineficiente para arquivos muito grandes, especialmente em operações de apagar e truncar em grandes arquivos, porque o mapeamento mantém uma entrada para cada bloco único, e grandes arquivos têm muitos blocos, tornando o mapeamentos enorme, lento de manusear. Sistemas de arquivos modernos usam uma abordagem diferente chamado de "extensões". Uma extensão é basicamente um conjunto de blocos físicos contíguos . Ele basicamente diz: "Os dados estão nos próximos n blocos ". Por exemplo, um arquivo de 100 MB pode ser alocado em uma única extensão desse tamanho, em vez da necessidade de criar o mapeamento indireto de 25600 blocos (4 KB por bloco). Arquivos grandes são divididos em diversas extensões. Extensões  melhoram o desempenho e também ajudarm a reduzir a fragmentação do disco, uma vez que uma extensão  incentiva esquemas contínuos de ocupação do disco.

2.5. Alocação Multiblocos

Quando Ext3 precisa gravar novos dados no disco, há um alocador de blocos que  decide que blocos livres serão usados para gravar os dados. Mas o alocador de blocos Ext3 apenas aloca um bloco (4KB) de cada vez. Isso significa que, se o sistema precisa  escrever  100 MB de dados mencionado no ponto anterior, será necessário chamar o alocador de blocos 25600 vezes (e foi um arquivo de apenas 100 MB!). Não só isso é ineficiente, como também  não permite que o alocador de blocos  otimize a política de atribuição, porque ele não  sabe o número total de dados que estão sendo alocados, ele só conhece um único bloco. Ext4 usa um alocador multiblocos "(mballoc), que atribui muitos blocos em uma única chamada, em vez de um bloco único por chamada, evitando muita sobrecarga. Isso melhora o desempenho, e é particularmente útil com delay de alocação  e extensões. Esse recurso não afeta o formato de disco. Além disso, observe que o alocador bloco/ inode  do Ext4   tem outras melhorias, descritas em detalhe neste trabalho.

2.6. Alocação atrasada

Alocação atrasada é uma característica de desempenho (isso não muda o formato de disco)   encontrada em alguns sistemas de arquivos modernos, como XFS, ZFS, btrfs ou Reiser 4, e consiste em atrasar a alocação dos blocos, tanto quanto possível, ao contrário do que tradicionalmente, sistemas de arquivos (como o ext3, reiser3, etc) fazer: repartir os blocos o mais depressa possível. Por exemplo, se um processo de escrever () s, o código do sistema alocará imediatamente os blocos onde os dados serão colocados - mesmo que os dados não está sendo escrito agora para o disco e vai ser mantida no cache para alguns tempo. Esta abordagem tem desvantagens. Por exemplo, quando um processo está escrevendo continuamente para um arquivo que cresce, sucessivas write () s alocar blocos de dados, mas não sei se o arquivo vai continuar crescendo. Alocações atrasadas, por outro lado, não vão alocar os blocos imediatamente quando o processo de escrever () s, em vez disso, os atrasos da alocação dos blocos enquanto o arquivo é mantido no cache, até que seja realmente  gravado no disco . Isto dá ao alocador de blocos a oportunidade de otimizar a alocação em situações em que o sistema antigo não podia. Alocação atrasada joga muito bem com as duas características mencionadas anteriormente, extensões e alocação multiblocos, pois em diversas cargas de trabalho  quando o arquivo é finalmente gravado, o disco será alocado em extensões de múltiplos blocos cuja alocação é feita com o alocador mballoc. O desempenho é muito melhor, e a fragmentação é muito melhor em algumas cargas de trabalho.

2.7. Fsck Rápido

Fsck é uma operação muito lenta, especialmente o primeiro passo: verificação de todos os inodes no sistema de arquivos. Em Ext4, no final da tabela de inode de cada grupo será armazenado uma lista de inodes utilizados (com uma verificação, por segurança), assim que o fsck não irá checar os inodes. O resultado é que o tempo total do fsck melhora de 2 a 20 vezes, dependendo do número de inodes usados (http://kerneltrap.org/Linux/Improving_fsck_Speeds_in_Ext4). Deve ser notado que é o fsck, e não Ext4, que vai construir a lista de inodes utilizados. Isto significa que você deve executar o fsck para obter a lista de inodes utilizados construída, e só executar o fsck na próxima vez será mais rápido(você precisa passar um fsck para converter um sistema de arquivos ext3 para ext4 de toda maneira). Há também uma característica que ajuda a aumentar a velocidade do fsck - "grupos de blocos flexíveis" - que também acelera as operações de arquivos.


2.8. Checksum do Journal

O journal é a parte mais utilizada  do disco, fazendo com que os blocos que fazem parte do mesmo mais propensos a falhas de hardware. E a  recuperação  de um journal danificado pode levar à corrupção massiva dos dados do disco. Ext4 faz somas de segurança (checksum) dos dados do journal para saber se os blocos estão com falhas ou corrompidos. Mas checksumming do journal  tem um bônus: ele permite  converter as duas fases do sistema de journaling do Ext3  para uma única fase, acelerando o funcionamento do sistema de arquivos em até 20% em alguns casos - assim a confiabilidade e o desempenho são aprimorados, ao mesmo tempo. (Nota: a parte do recurso que melhora o desempenho, o  log assíncrono, é desligado por padrão  agora, e será ativado em versões futuras, quando melhorar a confiabilidade)

2.9. "No Journal mode"

Journaling garante a integridade do sistema de arquivos, mantendo um log das mudanças em curso no disco. No entanto, é sabido que ele causa uma pequena sobrecarga. Algumas pessoas com necessidades especiais e cargas de trabalho diferenciadas, o sistema de arquivos pode ser executado sem um journal e sem as vantagens relativas à sua integridade. Em Ext4 o recurso de journaling pode ser desativado, o que proporciona uma melhora de desempenho pequeno.

2.10. A desfragmentação online

(Este recurso está sendo desenvolvido e será incluído em versões futuras).
Embora a alocação atrasada, extensões e alocação de múltiblocos ajudem a reduzir a fragmentação, com o uso,  sistemas de arquivos podem fragmentar ainda. Para resolver este problema, o Ext4 suportará  desfragmentação on line, e há uma  ferramenta (e4defrag) que pode  desfragmentar arquivos individuais ou todo o sistema de arquivos.

2.11. recursos relacionados a Inodes 

  Inodes maiores, timestamps de nanossegundos, atributos extendidos rápidos , reserva de inodes ...

    * Inodes maiores: Ext3 suporta tamanhos configuráveis de inodes (através do parâmetro mkfs-I), mas o tamanho do inode padrão é 128 bytes. Ext4 mudará o padrão para 256 bytes. Isso é necessário para acomodar alguns campos extras (como timestamps de nanossegundos ou versões diferentes de inode), e o espaço restante do inode será utilizado para armazenar atributos estendidos  que são pequenos o suficiente para caber nesse espaço. Isso fará com que o acesso a esses atributos seja muito mais rápido, e melhora o desempenho das aplicações que utilizam atributos estendidos por um fator de 3-7 vezes.

  * Timestamps de Nanossegundos significa que os campos dos inodes relativos à hora de gravação/modificação , serão capazes de usar resolução de nanossegundos em vez da resolução de segundos do  Ext3.

* Reserva de Inodes  consiste em reservar vários inodes quando um diretório é criado, aguardando quando serão utilizados no futuro. Isso melhora o desempenho, porque quando novos arquivos são criados no diretório eles serão capazes de usar os inodes já reservados, agilizando a criação (e consequentemente) a deleção de arquivos.

2.12. Pré-alocação persistente

Esse recurso, disponível no Ext3 nas versões mais recentes do kernel, e emulado por glibc em sistemas de arquivos que não suportam, permite  aos aplicativos pré-alocar espaço em disco: Aplicações dizem ao sistema de arquivos para pré-alocar o espaço, e o sistema de arquivos pré-aloca os blocos necessários e estruturas de dados, mas não há dados para preenchê-los até que a aplicação realmente precise gravar os dados. Isto é o que fazem aplicações P2P à sua maneira: o espaço necessário para uma transferência que irá durar horas ou dias já está reservado para o arquivo. Mas, com o EXT4, será implementado com muito mais eficiência pelo sistema de arquivos e com uma API genérica. Este tem várias utilidades: em primeiro lugar, para evitar aplicações (como aplicativos P2P) de fazer a mesma coisa de forma ineficaz, preenchendo um arquivo com zeros. Em segundo lugar, para melhorar a fragmentação, uma vez que os blocos serão atribuídos ao mesmo tempo, da melhor forma contígua possível. Terceiro, para garantir que as aplicações sempre terão o espaço em disco que realmente vão precisar para os seus arquivos, o que é importante para as aplicações "real time", já que, sem a pré-alocação, o sistema de arquivos poderia ficar cheio no meio de uma operação importante de escrita.

2,13. Barreiras por padrão

Esta é uma opção que melhora a integridade do sistema de arquivos ao custo de algum desempenho (você pode desabilitá-lo com ""mount -o barrier=0", recomendou a tentar se você for fazer benchmarking). A partir deste artigo LWN: O controle do filesystem deve, antes de escrever o registro do journaling, se certificar que todas as transações que ocorreram no disco estão no journal.
Apenas fazendo a escrita do journaling na ordem correta não é suficiente; Os discos atuais tem caches internos grandes e vão reordenar as operações para um melhor desempenho. Assim, o controle do sistema de arquivos deve instruir explicitamente o disco a descarregar todos os dados sobre o journal antes de gravar o registro do journal. Se o regsitro do journal for gravado antes, o journal pode ser corrompido.
O kernel disponibiliza essa característica através do uso de barreiras. Em essência, uma barreira não permite que o journal seja escrito antes de que todas as operações que ele relata sejam escritas antes.
Usando barreiras, o sistema de arquivos aumenta consideravelmente a sua confiabilidade.

Fonte: http://kernelnewbies.org/Ext4

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

Lançado Amarok 2.2

Recentemente foi lançada a versão 2.2 do Amarok e traz vários novos recursos, como de costume. Amarok 2.2 está de cara nova.


Não só isso, mas agora podemos personalizá-lo para a visão do contexto, o navegador e o playlist das músicas são todos "widgets", que podemos acomodar ao nosso gosto

Como sempre, a equipe Amarok geralmente resolve muitos bugs, incluindo: importação  melhorada de banco de dados  de playlists do Amarok 1.4 e capacidade de usar um banco de dados MySQL externo. Agora, se inserir um CD, aparece automaticamente no Amarok (Até que enfim!).

Embora haja outras mudanças, eu só quero mostrar o novo applet de vídeo.
O mesmo será responsável pela pesquisa no YouTube do vídeo da música para uma canção que você tem em sua coleção. Assista o vídeo abaixo:


Resident Evil 4 - Perfeito no Linux



A infecção de zumbis chegou ao Linux!!! RE 4 funciona muito bem, por vezes até melhor do que no uindous (às vezes tem uns slowdowns, mas nada que atrapalhe).

Para rodar RE4 no Linux, a receita de bolo é muito fácil!
  1. Instale o jogo normalmente
  2. Se for rodar pela primeira vez, ele vai pedir o DirectX 9C
  3. Não é obrigatório instalar o DX9C, o caminho das pedras é o seguinte: Junto com o jogo já vem os arquivos do DX9, o que você precisa fazer é procurar uma dll, d3dx9_30.dll, e, copia-la para o diretório do jogo. Assim, vai rodar o jogo sem precisar instalar o DX9c na íntegra. Essa DLL está dentro de um dos CABS do DX9c.
  4. Depois, é só jogar e matar uns quantos zumbis!!!
O legal é que este jogo já pode ser encontrado em bancas de jornal, saiu numa revista de games por um preço bem acessível.
Bem, existem alguns efeitos colaterais:
  • Às vezes o jogo dá crash e volta para a interface gráfica do Linux, geralmente ao se acessar muitas vezes rapidamente o inventário
  • Os filmes in game precisam de uma manobra para funcionar



Fora isso, o jogo vai que é uma brisa. Divirtam-se !!!



Pessoal, aqui vão umas mudanças no registro pro jogo rodar melhor (eu já fiz e assino embaixo. O jogo fica bem mais rápido. Dá uns paus de polígono, mas, a velocidade compensa)

REGEDIT4

[HKEY_CURRENT_USER\Software\Wine\Direct3D]
"OffscreenRenderingMode"="fbo"
"UseGLSL"="enabled"
"VertexShaderMode"="hardware"
"PixelShaderMode"="enabled"
"DirectDrawRenderer"="opengl" 





Como jogar com os vídeos (filmezinhos dentro do jogo):
  • Consiga uma Quartz.dll de uma instalação do uindous
  • Coloque essa quartz.dll no diretório do RE4
  • Vá no winecfg e faça o seguinte ajuste: para game.exe (o executável de RE4) coloque a lib quartz.dll como native, built-in
  • Vá em http://www.xpcodecpack.com/dl/XP-Codec-Pack-2.5.0.exe e baixe o XP Codec Pack, que irá instalar o FFdShow, para rodar os vídeos
  • Depois de instalado, vá na sua entrada, no menu wine, e rode o configurador do FFdShow. Coloque para a reprodução de audio e video a libavcodec.
  • Quando iniciar o jogo, vai aparecer uma tela perguntando se você quer usar o FFdShow para mostrar os filmes. Deixe marcada a opção: Yes, always.

Existe um efeito colateral de usar a quartz.dll do win xp: O jogo, apesar de mostrar os vídeos perfeitamente, fica mais instável, dando muito mais crash.
Com a quartz.dll nativa do wine, o jogo funciona solidamente, mas, sem os vídeos.


Na hora de jogar, você pode optar por ver os vídeos (mudando as opções no winecfg) e, para avançar no jogo, mudar novamente para a quartz.dll do wine.



quinta-feira, 15 de outubro de 2009

Acer Lança NetBook com Android



Em Primeira mão um lançamento de produto da Acer dia 14/10/2009 em Londres. Antes do lançamento, Register Hardware botou as mãos nessa nova máquina da Acer, o primeiro netbook da empresa a vir  com dois sistemas operacionais.



Sim, O ACER D250 vem com dual boot, com o Android (Google) e com o windows 7 32 bits.

A máquina não é realmente um modelo novo. É a velha Aspire One D250 - revisto aqui - que está no mercado  desde a primavera passada, apenas atualizado para executar tanto o Android da Google  quanto a versão de 32-bits do Windows 7.


O primeiro ponto a salientar é que apesar desta capacidade dupla de SO's , você só poderá bootar na verdade com o Android. Ligando a máquina a partir do zero ou fazendo um restart, e você irá diretamente para o sistema operacional do Google.

Para carregar o Windows 7, você deve primeiro iniciar o Android, em seguida, selecione "Switch OS" do menu slide-out do Android  e depois esperar que o Windows carregue na forma habitual.

A Acer não é clara sobre exatamente porque os usuários não podem iniciar a máquina diretamente no Windows - não há menu Grub-style "Selecione o sistema operacional" na tela de boot. No entanto, Jim Wong, Senior VP corporativo da Acer, disse-nos que o Android, prevê que a capacidade  "Instant On".

Em essência, então, a Acer vê o Android como uma alternativa à oferta de distros Linux básicas,  projetadas para fornecer acesso rápido à internet e arquivos de mídia, mas não muito mais.

Na verdade, o Android no D250 é básico. O desktop tinha apenas dois ícones, dois dos quais foram para a navegação na web. O menu principal do Android é um pouco mais rico, com ícones para uma foto / galeria de vídeo, outra para ferramentas de desenvolvimento, um para as mensagens e outro para, obviamente, a inicialização do windows.

No entanto, a Acer deve ver um maior potencial no Android do que apenas uma alternativa de acesso rápido ao windows. Se não, não teria nos dito que está trabalhando numa plataforma de desenvolvimento para uma AcerShop de aplicativos(tal como o iPod da Apple)  para a sua plataforma Android, voltados para explorar as características da tela do D250 de 1024 x 600.

Tal como está, uma vez que o D250 é um netbook e Android aqui fornece quase toda a funcionalidade que a maioria das pessoas querem de um netbook - web e acessar e-mail e visualização de conteúdo - fica a pergunta: Quantas vezes os usuários irão bootar no windows ?

Acer espera que, em seguida... Afinal quando os usuários precisarem usar aplicações de produtividade e ferramentas de software que são específicos para a plataforma Microsoft. É claro que por não ter o Windows a bordo pode colocar muitos apostadores fora do bonde do Acer D250. Pela nossa parte, gostaríamos de ver uma versão somente com Android do D250.

Afora os sistemas operacionais, a própria máquina é leve, de boa aparência e bem construído. Uma rápida olhada na tela do computador e as configurações de sistemas -  revelou que as especificações do D250 não mudaram desde a nossa análise em junho.

Ele tem um processador de 1.6GHz Atom N270 e 1GB de memória DDR 2. Ele tem o conjunto habitual padrão de portas USB para um netbook, tomadas de áudio analógico, Ethernet e conectores VGA, e um slot para cartão de memória SDHC.

Uma palavra de advertência, porém: as teclas do  trackpad do D250 são tão pequenos que chegam a ser irritantes, o que poderia revelar-se um problema para aqueles com dedos grandes.


Fonte: http://www.reghardware.co.uk/2009/10/14/hands_on_acer_d250_dual_os/

quarta-feira, 14 de outubro de 2009

Lugaru o Coelho Vingador


Lugaru: The Rabbit's Foot (pronuncia-Loo-GAH-roo) é o primeiro vídeo game comercial criado por Wolfire Games. É um  jogo 3D multi-plataforma,  de ação / aventura para o Microsoft Windows, Mac OS X e Linux. Ele trata das aventuras de Turner, um coelho antropomórfico com curiosas e  bem desenvolvidas habilidades de combate.

Lugaru foi feito quase exclusivamente por David Rosen, incluindo o motor de jogo, modelos, animações e história. Foi um dos primeiros vídeo jogos independentes produzidos   a empregar física de ragdoll. Ele usa um novo sistema de ataque  e combate, sendo bastante intuitivo, baseado no timing e em contra ataques e no contexto, em vez de diferentes combinações de teclas. O jogo foi muito bem recebido entre a comunidade shareware, especialmente entre os usuários de Mac e Linux

O nome Lugaru é uma contração fonética de "loup-garou", que é francês para o lobisomem. A palavra "Lugaru" é comumente pronunciado como loogaro.

História
Depois de ter sua família e amigos  assassinados por um grupo de invasores , Turner embarca em uma busca de vingança, apenas para descobrir mais uma trama que ameaça a ilha Lugaru . Usando uma variedade de técnicas de combate, Turner luta contra lobos e coelhos hostis através dos prados, neve, e as paisagens do deserto.

Para trazer a paz à ilha de Lugaru, bem como para vingar seus entes queridos, Turner deve finalmente confrontar o rei coelho Hickory, assim como Ash, o Lobo Alpha.

Gameplay

 Combate mano-a-mano compreende a maior parte da jogabilidade de Lugaru, apesar de o jogo recompensar também as abordagens furtivas. O sistema de combate é baseada principalmente em torno de combate próximo, e em muitos casos inclui facas, espadas e bastões. O jogador também pode executar desarme, contra ataques, e arremessos.

Sem nenhum marcador na tela, o jogador deve contar com pistas visuais para determinar a saúde de Turner; postura mais notavelmente curvada e a visão turva são sinais que ele não está bem de saúde.

O controle de combate é original, uma vez que existem apenas três botões de ação que são sensíveis ao contexto, o que coloca a ênfase na ação acelerada, em vez de complicadas combinações de botões: um botão de ataque, um botão de salto, e um botão para abaixar-se e mais o  botão reverso.

Site do jogo: http://wolfire.com/lugaru